• Napolitano como meu pé

Livro | O Iluminado ( Stephen King)

Stephen Edwin King tem uma história de infância sofrida. Seu pai abandonou sua família quando ainda tinha dois anos, e provavelmente ele deve contar todas essas histórias para seus filhos e netos para que eles possam entender que não vieram de uma família que tinha tudo.


Sua mãe teve que morar com o irmão, e depois eles voltaram para a casa dos pais, pois passavam por dificuldades financeiras. Quando Steve estudava inglês na faculdade conheceu uma aspirante à escritora que iria não só o conquistar intelectualmente mas também o seu coração. Foi assim que ele conheceu e se casou com Tabitha, que, na minha opinião, é a melhor integrante da família King.

É importante saber que os dois casaram jovens e logo tiveram Joe Hill. Tabitha teve que parar seus estudos mas o combinado seria que então King não parasse de estudar até se formar e depois ela voltaria para a faculdade e terminaria seu curso. O grande problema com tudo isso é que King, nessa época, desenvolveu vício em drogas e e em álcool. E a cada ano que passava o vício ficava ainda maior e chegou ao ponto de quase machucar Joe sem intenção.

Eu contei a história de Stephen King mas eu poderia muito bem dizer que essa é a história de Jack Torrance. Porque lendo o livro e sabendo da história de vida do autor não tem como ficar sem traçar certos paralelos entre sua história de vida e a história de Jack. Eu nunca estudei as obras de Stephen King a fundo, mas O Iluminado chega a ser extremamente autobiográfico para mim. King parece revisitar alguns traumas para dar vida ao Overlook e seus personagens.


\”“O lugar perfeito para recomeçar”, é o que pensa Jack Torrance ao ser contratado como zelador para o inverno. Hora de deixar para trás o alcoolismo, os acessos de fúria, os repetidos fracassos. Isolado pela neve com a esposa e o filho, tudo o que Jack deseja é um pouco de paz para se dedicar à escrita. Mas, conforme o inverno se aprofunda, o local paradisíaco começa a parecer cada vez mais remoto… e mais sinistro. Forças malignas habitam o Overlook, e tentam se apoderar de Danny Torrance, um garotinho com grandes poderes sobrenaturais. Possuir o menino, no entanto, se mostra mais difícil do que esperado. Então os espíritos resolvem se aproveitar das fraquezas do pai… Um dos livros mais assustadores de todos os tempos, O iluminado é um clássico de Stephen King. Edição especial com tradução revisada e prólogo e epílogo inéditos.\”

Esse é o resumo da editora sobre o livro no site da Amazon. Eu posso afirmar que esta é a melhor sinopse do livro. Dá o nome dos personagens, a motivação deles. Mas quando iniciamos a leitura vamos percebendo a dimensão dos personagens sendo muito maior do que o esperado para um livro de terror. Steve nos passa muito mais uma visão de como ele mesmo batalha contra seus monstros internos e seus medos durante a história.

Encontramos um Jack Torrance com esperança e frustração sobre como sua vida não está acontecendo da forma como ele esperava. Destruído emocionalmente por não conseguir terminar de escrever a sua obra, por ter sido demitido de seu emprego anterior, de carregar uma culpa por algo que fez com seu filho em um momento sem pensar, Jack Torrance vê no Hotel Overlook sua última oportunidade de mudar de jogo.


E então Stephen King vem e dá ao Overlook uma personalidade, uma vida, uma aura de mistério e suspense quando cria a ideia de que existem pessoas que são iluminadas e que Danny, filho de Jack e Wendy, possui essa clarividência. É com essa justificativa que nós temos o elemento de terror que na verdade nem precisava ser trabalhado dessa forma.

É nesse momento que percebemos como Steve utiliza de sua fonte principal de inspiração para escrever seus livros: sua vida e as obras de Shirley Jackson. É quando percebemos que a inspiração de Overlook vem de \”A Assombração na Casa da Colina\”. Conceber a ideia não só de uma arquitetura que possui vida e vontades próprias mas que tudo isso possa ser apenas uma concepção na cabeça de quem vive no local é o que torna o livro de Shirley uma história primordial.

Também é possível notar como Steve flerta com várias histórias de Edgar Allan Poe, não só com a ligação direta com o conto \”A Máscara da Morte Rubra\”, mas também com poemas e principalmente o conto \”Coração Delatador\” (O meu favorito, mesmo que ninguém tenha perguntado). São vários momentos que podemos perceber como Jack, e Steve, ainda carregam consigo esse pensamento de professor de literatura.


Os desejos de Jack se tornam momentaneamente os desejos do Hotel Overlook e logo não percebemos que lemos trezentas páginas dos personagens sucumbindo à loucura tão vagarosamente mas ao mesmo tempo tão rapidamente. A passagem de tempo do livro nos dá essa sensação. Os dias são longos, quase cheios de movimentos iguais, mas você fica surpreso na demora para chegar o Dia de Ação de Graças. E quanto mais demora, mais Jack sucumbe ao ambiente.

Stephen King também escreve muito sobre o que é ser um pai alcoólatra, o que, pra mim, se torna ainda mais pessoal. Não digo que é cem por cento aquilo que Jack pensa, mas sendo \”uma Danny\”, não deixo de atestar que algumas coisas são assim mesmo que ocorrem. Mas meu pai nunca levantou as mãos para a família.

Dá para sentir a carga emocional que Steve coloca ao narrar um pai que está desesperado para desempenhar seu papel como pai. Conforme você entra na mente de Jack Torrance você encontra várias questões e discussões que podem muito bem ser debatidas nos dias atuais. Jack, ao final do livro, acaba afirmando quais são os papéis de um homem cis branco e de um pai cis branco e hétero na sociedade e o que era esperado dele e o que ele não conseguiu alcançar. Ele relembra momentos pessoais também, e são nesses momentos que podemos sentir o questionamento da obra sobre a grande necessidade em ser da forma como Jack acredita, porque, na visão do autor, isso nunca aconteceu. Stephen King nunca teve uma figura paterna em sua vida no papel de pai, ele debate a importância dessa figura paterna na vida de um filho e o que pode acontecer com as pessoas quando elas não tem um passado fechado com sua família.


Se eu tivesse que reclamar de alguma coisa nessa minha edição seria uma coisa na tradução. Sei que não há um debate sobre como traduzir \”Olive Skin\” porém acredito que a forma menos sugerida seria \”pele azeitonada\” quando, na verdade, Olive Skin é um termo utilizado para quando você quer descrever a pele morena. Se a minha edição fosse mais antiga eu super entenderia, mas a edição da Biblioteca Stephen King é a mais atual, acredito que pudesse ter sido trocado esse termo na tradução.

O Iluminado é um livro que me tira o fôlego sempre que leio. Essa foi minha primeira releitura para que eu possa ler Doutor Sono. ( Que eu sei que é uma bomba, mas eu sou o meme do \”só acredito vendo // não acredito\” então aguardem que logo mais vem post rant sobre a continuação.)


Eu sei que normalmente eu termino o post dizendo que as pessoas deveriam ler por algum motivo, ou o porque amei tanto. Mas O Iluminado é um livro muito pessoal para mim. Então eu queria terminar esse post com uma citação do livro.

Você pode fugir de um estranho, mas não pode fugir de si mesmo.(pág.286)

#LiteraturaAmericana #OIluminado #StephenKing