• Napolitano como meu pé

Livro | Minha querida Sputnik (Haruki Murakami)

Eu percebo que gostei de um livro quando falo demais sobre ele. Alguns livros têm o poder de me darem muito assunto (a título de curiosidade, estão nessa categoria O som e a fúria, Por quem os sinos dobram, O convidado surpresa, qualquer livro da Lygia Fagundes Telles). Mas também existem na minha vida os livros dos quais eu gosto tanto, que me deixam sem saber o que falar sobre eles. Para essa categoria específica, temos A espuma dos dias, Eu receberia as piores notícias dos seus lindos lábios, Retalhos, qualquer livro da Clarice Lispector e o tema deste texto: Minha querida Sputnik.


Assim, não sabendo exatamente o que falar sobre esse livro, vou aos poucos e a partir de um começo que gosto muito de falar sempre: como o livro chegou em mim. Pois bem. Glizia possui jeitos muito pessoais de escrever e falar sobre livros. Atualmente, ela mantém um twitter onde comenta, em inglês, as suas leituras e nele, ela alimenta um fio sobre o que foi lido ao longo do ano. 2022 mal começou mas já foi suficiente pra leituras excelentes, entre elas, Minha querida Sputnik. Vi a lista e fui, como de praxe, conversar com ela e a menina estava tão apaixonada que não deu outra: peguei pra ler.


Como um todo, Minha querida Sputnik não possui nada de extraordinário. É, inclusive, um livro bastante comum, com personagens também comuns - tanto do ponto de vista ficcional de personagem, quanto do ponto de vista real de pessoas do nosso mundo palpável. Ele me ganhou foi nos detalhes que o conectaram a mim: é o tipo de livro que exige leitura pela sensibilidade.


Narrado em primeira pessoa por K., um professor de escola infantil, o livro vai trazer pra nós a história de Sumire e seu primeiro encontro com a paixão. Falando assim parece algo besta e melodramático mas como eu disse, o livro é todo costurado sobre passagens sensíveis e estamos todos já calejados de Dom Casmurro pra saber que quando um personagem narra uma história, 1) não podemos confiar completamente nele e 2) se ele fala de outra personagem, a gente sabe mais dele do que da outra personagem.


Devo dizer que neste caso não é diferente e Machado de Assis ensinou muito bem. O narrador fala de Sumire e suas excentricidades, sua família e seus desejos para, ainda falando sobre ela, falar também de Miu, a mulher por quem Sumire se apaixonou. Sua narrativa, entretanto, é baseada em sua própria relação com Sumire e a moça é o tempo todo o centro da história, ao redor da qual orbita todo o resto do mundo - ou o mundo do narrador. Não é difícil entender, logo no início, que K. é apaixonado por ela e talvez seja justamente sobre isso o livro. Não exatamente sobre a paixão dele, mas sobre o efeito dessas paixões em nós, pessoas normais (lembra, inclusive, que eu disse que os personagens desse livro não eram nada excepcionais? Então!).


Existe um mistério na história do livro, até porque o romance não se sustentaria apenas com seu narrador falando que ama até os detalhes mais sórdidos da Sumire (eu, aliás, leria esse livro sem problema porque a narrativa do Murakami é simples, fluida e poética ao mesmo tempo). E é a partir desse mistério que K. decide contar a história de Sumire (e a dele e a de Miu). É a partir desse momento de encontrar um amor e desencontrar a pessoa amada dentro desse sentimento, que K. conta para o leitor acontecimentos… conflitantes.


E é também aqui que o livro vira de ponta cabeça, é o momento decisivo da história, onde você vai decidir se gosta ou não, se vai indicar pros seus amigos ou não, se aquela é a sua história também. Eu só posso dizer que é a minha história, eu me li inteirinha nesse livro. Por isso eu tô aqui, me esforçando pra falar dele, pra colocar em palavras argumentos que sejam compreensíveis pra quem me lê. E ainda assim eu sinto que falhei. Ninguém nunca vai entender esse livro como eu, aliás, ninguém nunca vai entender qualquer livro como eu e é justamente por isso que eu acho que você deveria ler Minha querida Sputnik e vir falar pra mim o que foi essa história pra você.


12 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo